Music World
Welcome, Guest. Please login or register.
   
  Forgot your password?
 
Find Artists:
 
 
 
Russian versionSwitch to Russian 
Gal Costa




Music World  →  Lyrics  →  G  →  Gal Costa  →  Albums  →  Legal

Gal Costa Album


Legal (1970)
1970
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
. . .


Eu sou terrível, quer comparar
E de desse jeito me provocar?
Você não sabe de onde venho
O que eu sou e o que tenho
Eu sou terrível, quer comparar
Porque agora vou decolar
Não é preciso nem avião
Eu vôo mesmo aqui no chão

Eu sou terrível, vou lhe dizer
Que ponho mesmo pra derreter
Estou com a razão no que digo
Não tenho medo nem do perigo
Minha caranga é máquina quente
Oh, eu sou terrível, vou lhe contar
Não vai ser mole me acompanhar
Garota que andar do meu lado
Vai ver que eu ando mesmo apressado
Minha caranga é máquina quente
Oh, eu sou terrível

Eu sou terrível, quer comparar?
Porque agora vou decolar
Não é preciso nem avião
Eu vôo mesmo aqui no chão
Eu sou terrível, vou lhe dizer
Que ponho mesmo pra derreter
Estou com a razão no que digo
Não tenho medo nem do perigo
Minha caranga é máquina quente
Oh, eu sou terrível

. . .


Ga-pa-ran-pan-to-po
Que-pe vo-po-cê-pê
Garanto que você
Não-pão vai-pai, não vai
Não-pão vai-pai, não vai
Com-pom-pre-pre-en-pen-der-per bulhufas, bulhufas
Do-po que-pe ten-pen-tan-pan-mos-pos
Lhe-pe di-pi-zer-per
Não tem problema, não tem problema
Es-pe-ta-pa-mos-pos
Es-pe-pe-pe-ran-pan-do-po coisas pela aí
Smetak tak tak tak
Maria babá babá babá ba
Catuaba, Cachoeira
Vão me procurar na Lapa
Na gruta da Mangabeira
Quarta feira de manhã
Quarta feira de manhã
Quarta feira de manhã
Quarta feira de manhã

. . .


C'mon, c'mon, c'mon, c'mon and love
C'mon, c'mon, c'mon, and try
C'mon, c'mon, c'mon, and die
C'mon, c'mon, c'mon, c'mon and love
C'mon, c'mon, c'mon, and try
C'mon, c'mon, c'mon, and die
C'mon, c'mon and try my love
C'mon, c'mon and die for me

. . .


Compre, olhe, vire e mexa
Talvez no embrulho você ache o que precisa
Compre, olhe, vire e mexa
Não custa nada
Só lhe custa a vida
Só lhe custa a vida, só lhe custa a vida
Ande por onde andam aquelas minas
Aquela velha gama
E aquela nova, aquela nova
Aquela nova mini-mina flor do ministério
Quero dizer do mistério
Que mistério tem Clarice?
Procure conhecer melhor seu mini-mistério interior
Procure conhecer melhor o cemitério do Caju
Procure compreender melhor sobre a Santíssima Trindade
Procure compreender melhor becos da tristíssima cidade
Procure compreender melhor filmes de suspense e de terror
Oh oh, terror, terror, oh, terror, hum!...
Ande, olhe, vire e mexa
Não se incomode com essa falta de assunto
Ande muito, veja tudo
Não diga nada além de dois minutos
Além de dois minutos, além de dois minutos

. . .


Acauã, acauã vive cantando
Durante o tempo do verão
No silêncio das tarde agourando
Chamando a seca pro sertão
Chamando a seca pro sertão
Acauã, acauã
Teu canto é penoso e faz medo
Te cala, acauã
Que é pra chuva voltar cedo
Que é pra chuva voltar cedo

Toda noite no sertão
Canta o joão-corta-pau
A coruja, mãe da lua
O pepique e o bacurau
Na alegria do inverno
Canta sapo, jia e rã
Mas na tristeza da seca
Só se ouve acauã
Só se ouve acauã

. . .


Dessa janela sozinha
Olhar a cidade me acalma
Estrela vulgar a vagar
Rio e também posso chorar
E também posso chorar
Mas tenho os olhos tranqüilos
De quem sabe seu preço
Essa medalha de prata
Foi presente de uma amiga
Foi presente de uma amiga
Mas isso faz muito tempo
Sobre um pátio abandonado
Mas isso faz muito tempo
Em doze quartos fechados
Mas isso faz muito tempo
Profetas nos corredores
Mas isso faz muito tempo
Partos embaixo da escada
Mas isso faz muito tempo
Oh! Oh! Mas isso faz muito tempo
Mas isso faz muito tempo
No fundo do peito esse fruto
Apodrecendo a cada dentada
Oh! No fundo do peito esse fruto
Apodrecendo a cada dentada
Mas isso faz muito tempo
Sobre um pátio abandonado
Mas isso faz muito tempo
Mas isso faz muito tempo
Mas isso faz muito tempo
Mas isso faz muito tempo
Mas isso faz muito tempo
Mas isso faz muito tempo
Dessa janela sozinha
Olhar a cidade me acalma
Estrela vulgar a vagar
Rio e também posso chorar
Oh, e também posso chorar

. . .


Procurando por você
Meu amor, onde está?
Meu Deus, mas que felicidade
Te encontrar pela cidade
Com essa cara linda ao sol do meio dia
Rebolando na avenida
Pra desgraça e glória dessa vida
Deixa o mar ferver, deixa o sol despencar
Deixa o coração bater, se despedaçar
Chora depois, mas agora deixa sangrar
Deixa o carnaval passar

. . .


Tell me, tell me
Oh please tell me
Who among friends and even strangers
Who could say that you might?
I still remember the scene and the night
The promise one must keep, to keep
Them alive
Tell me, oh, tell me

Eu sei
Não me diga
Esquecer as promessas e mantê-las vivas
A poesia é uma mina
Quando me diz: "Até logo"
Eu olho e me calo
Eu nunca sei quem está ao meu lado
Você sabe, continuo o mesmo
Eu ainda preciso me olhar no espelho
Amanhã ou depois
Você sabe onde me encontrar
Eu vou ficar aqui mesmo
Brincando, dançando, chorando, gritando, morrendo

Eu sei
Não me diga a poesia
Tell me
Oh, oh please tell me
Who among friends and even strangers
Who could say that you might?
I still remember the scene and the night
The promise one must keep, to keep
Oh, them alive
Yes, tell me, oh, tell me, oh, tell me, baby, tell me . . .

Eu sei

. . .


I'm wandering round and round, nowhere to go
I'm lonely in London, London is lovely so
I cross the streets without fear
Everybody keeps the way clear
I know, I know no one here to say hello
I know they keep the way clear
And I am lonely in London without fear
I'm wondering round and round here nowhere to go
While my eyes
Go looking for flying saucers in the sky
While my eyes
Go looking for flying saucers in the sky

On Sunday, Monday, autumn pass by me
And people hurry on so peacefully
A group approaches a policeman
He seems so pleased to please them
It's good at least to live and I agree
He seems so pleased at least
And it's so good to live in peace and
Sunday, Monday years and I agree
While my eyes
Go looking for flying saucers in the sky
While my eyes
Go looking for flying saucers in the sky

I don't know what I left so far away
I don't think, I don't ask and I don't pray
I do not want to make a mess
And I know about nothing that possess
I came around to say yes, and I say
I do not want to make a mess
And I know about nothing that possess
I came around to say yes, and I say
While my eyes
Go looking for flying saucers in the sky
While my eyes
Go looking for flying saucers in the sky

. . .


Baiana que entra no samba, só fica parada
Não samba, não mexe
Não bole nem nada
Não sabe deixar a mocidade louca
Baiana é aquela que entra no samba
De qualquer maneira
Que mexe, remexe
Dá nó nas cadeiras
Deixando a moçada com água na boca

A falsa baiana quando entra no samba
Ninguém se incomoda
Ninguém bate palma
Ninguém abre a roda
Ninguém grita: "Oba, oba!
Salve a Bahia, senhor do Bonfim"
Mas a gente gosta quando uma baiana
Samba direitinho, de cima embaixo
Revira os olhinhos
Dizendo: "Eu sou filha de São Salvador"

. . .


blog comments powered by Disqus



© 2011 Music World. All rights reserved.